Brazil Jewelry Week 2021

Luisa Kuschel

Moçambique

The Beaded Confinement

Joia de corpo

Contas de vidro, filamento PLA, pinos de ferro e porcas e fio de poliéster.

Em meu trabalho, questiono como acabamos em um mundo em que os negros foram, e ainda são, percebidos como diferentes, senão inferiores, dos brancos. Em busca de respostas para essa questão, examinei o papel que a joalheria desempenha na classificação e na desvalorização estratégica dos negros. Devido aos meus laços pessoais com o sul do continente Africano - sou de Moçambique - concentrei-me nas contas de vidro e no seu papel nesta região. Tal como na vizinha África do Sul, as joias com contas de vidro são usadas em Moçambique para manifestar a identidade Africana das pessoas na face da inundação cultural da Europa e da América. O que muitas vezes passa despercebido nas contas de vidro é que elas desempenharam um papel trágico no comércio de escravos transatlântico que desenraizou milhões de pessoas de sua terra natal. O comércio de contas de vidro significou um rápido enriquecimento para as potências coloniais e contribuiu para a subjugação dos reis Africanos e de seu povo - com consequências até os dias atuais.

Com o meu projeto intitulado 'The Beaded Confinement', pretendo chamar a atenção para os aspectos ocultos das contas de vidro, apresentando-as de uma forma diferente: envolvendo um conjunto de algemas com uma corrente que impede as pessoas de se libertarem de uma identidade atribuída a eles. No meu trabalho, as contas de vidro são um símbolo de escravidão, pois eram usadas como uma ferramenta para algemar e acorrentar a identidade dos negros. Em "The Beaded Confinement", a corrente escrava é feita de milhares de contas de vidro principalmente vermelhas. Escolhi a cor vermelha para simbolizar sofrimento e derramamento de sangue, mas também uma homenagem ao solo vermelho da África.


$ 7,362.00

Authorized!

Broche

Contas de vidro, fios de ébano, aço e poliéster.

A peça “Authorized!” foi criada durante a inauguração da Bienal da Joalharia de Lisboa. É construído em torno de uma faca de madeira que encontrei em um mercado de pulgas. Em todo o mercado de pulgas muitos objetos das ex-colônias portuguesas podiam ser comprados. Ver muitos destes objectos, alguns muito familiares, outros desconhecidos, me deixou muito nostálgica e com saudades de Moçambique, onde cresci. Após esta primeira onda de emoção, percebi que muitos deles tinham uma nota discriminativa. Eles retrataram a cultura indígena nas colônias como primitiva: por ex. um cartão-postal mostrando uma mulher negra nua sorrindo para a câmera com o título de “beleza negra”. Ou esculturas de madeira descritas pelos vendedores como tendo sido usadas pelos “negros” da mesma “raça” de Mandela. Vendo esses objetos e ouvindo essas histórias, me perguntei como esses objetos chegaram à Europa? Qual tinha sido seu propósito original? Por que foram tratados com tão pouca dignidade? Especialmente se esses objetos pertencessem às pessoas cujas terras e trabalho pagaram pelas riquezas que Portugal obtivera por meio de suas ex-colônias.
Este trabalho trata da retirada de objetos de herança africana daqueles contextos aos quais não pertencem e nos quais são mal apresentados. Quem autorizou que esses objetos fossem separados de seus proprietários africanos? Onde eles, como no caso do Benin Bronzes, saqueados de Benin City por uma força militar britânica em 1897? Em suma, este trabalho é sobre a descolonização de artefatos africanos. No espírito de ativistas como Mwazulu Diyabanza, que tira objetos africanos de suas exposições em museus para destacar o que ele vê como a pilhagem em massa do continente pelos colonialistas europeus. Diyabanza diz: “Onde quer que as riquezas de nossa herança e cultura tenham sido roubadas, nós iremos intervir”.
Esta peça é sobre dar a mim mesmo, afrodescendente, a “autoridade” para tirar a faca de madeira do contexto racista em que ela se encontrava e devolver-lhe sua dignidade. Eu protejo o objeto cobrindo-o cuidadosamente com contas de vidro e colocando-o no meu corpo. Olhando para o broche de frente, o homem de madeira agora se ergue orgulhoso do peito de quem o usa, olhando para o que está por vir. De lado, porém, a lâmina da faca de madeira é sustentada por quatro tons de contas de vidro vermelhas. Parece que as lâminas estão cobertas de sangue. A pergunta pode ser feita: este é o sangue das pessoas de onde foi originalmente tirado?


$ 625.00

The Beaded Confinement 2.0

Joia de corpo

Contas de vidro, filamento PLA, pinos de ferro e porcas e fio de poliéster.

'The Beaded Confinement 2.0' é a variação da primeira série de correntes escravas de contas que são envolvidas em milhares de minúsculas contas de vidro. Neste trabalho, entretanto, as contas de vidro são um símbolo dos escravos. O padrão que usei para a corrente de contas é um padrão típico da casa real Zulu da região de Nongoma, na África do Sul. Foram os Zulus, liderados por seu rei guerreiro Shaka Zulu, que uniram várias tribos menores pela primeira vez na história do sul do continente Africano. Embora tentassem se defender dos europeus, eles também eram oprimidos. Cobrir a cadeia de escravos com esse padrão dá às pessoas confinadas uma identidade. Com este trabalho, queria chamar atenção ao papel trágico que as contas de vidro desempenharam no tráfico transatlântico de escravos que arrancou milhões de pessoas da sua terra natal e, ao mesmo tempo, deu a essas pessoas uma identidade.

Dos 212,6 milhões de brasileiros, metade é afrodescendente. Eles são descendentes de cerca de 3,65 milhões de escravos Africanos trazidos para o Brasil a partir de 1600. Eles também são descendentes de Zulu e de muitas outras grandes tribos Africanas. Dá força para conhecer a própria história e uma grande força é o que é necessário para sobreviver em um sistema de racismo institucionalizado que discrimina e oprime os negros desde o primeiro dia em que chegaram às costas americanas. Ainda mais de cem anos após a abolição da escravidão no Brasil, ser afrodescendente traz consigo desvantagens em uma sociedade de aparente democracia racial que nominalmente promove a identidade europeia.

Saber quem você é dá força para quebrar as algemas que o confinam!


$ 9,060.00

The Warrior Mask

Máscara

Contas de vidro, elástico e fio de poliéster.

Esta máscara foi criada durante o movimento #blacklivesmatter em 2020. Ela consiste em contas de vidro que teci como fios de tecido. Originalmente, as contas de vidro eram usadas na África no século 16 por comerciantes europeus como moeda em troca de produtos cobiçados como marfim, ouro e pessoas. Mais de 12 milhões de pessoas foram escravizadas na África e traficadas através do Atlântico. O padrão que usei para a máscara é típico da casa real Zulu da região de Nongoma, na África do Sul. Foram os zulus, liderados por seu rei guerreiro Shaka Zulu, que uniram várias tribos menores pela primeira vez na história do sul do continente Africano. Isso possibilitou que a tribo Zulu se defendesse com força concentrada contra a opressão cada vez mais forte dos colonialistas brancos.
Durante o apartheid, Nelson Mandela lutou contra a opressão de seu povo. Ele se vestia deliberadamente de maneira tradicional, por ex. adornado com contas de vidro, para enviar uma mensagem clara de orgulho de sua própria cultura. Isso continuará em minha máscara em 2020.

A máscara de contas não apenas decora, mas simboliza a resistência contra a injustiça. Milhares de pessoas que estão arriscando suas vidas se manifestam contra a violência policial e o racismo em meio à pandemia global COVID 19 em todo o mundo. É para dar força a eles e a todas as pessoas que se solidarizam com eles: Aqueles que usam a máscara tornam-se guerreiros: destemidos e orgulhosos. Porque é hora de se orgulhar. Orgulho de todos aqueles que nos precederam no caminho da liberdade e da igualdade.

Como Jamie Foxx: “diga ao mundo que você está OCUPADO, MANTENDO OS SEUS ANCESTRAIS ORGULHOSOS!”


$ 680.00

Luisa Kuschel

Moçambique

"Em meu trabalho, questiono como acabamos em um mundo em que os negros foram, e ainda são, percebidos como diferentes, senão inferiores, aos brancos. Em busca de respostas para essa questão, examinei o papel que a joalheria desempenha na classificação e na desvalorização estratégica dos negros." Luisa Kuschel

POR TRÁS DA OBRA


MAIS SOBRE A SÉRIE


ENCONTRE

CONHEÇA MAIS • JOALHEIROS EM DESTAQUE


VER MAIS +